Sunday, September 10, 2006

Continue a nadar...

Hoje estou com surto da escrita. Já escrevi sobre Kleyton e Kledir. Já mandei mensagem à minha amiga Vanessa sobre o que penso a respeito das borboletas (acho que vou fazer uma crônica sobre isso também..).. E já mandei emails, respondi a outros tantos.. Enfim... Um dia produtivo literariamente ou literalmente? Sabe-se lá...

E você pode perguntar: você não tem nada melhor pra fazer nesse feriadão todo???

E eu respondo de antemão: tenho sim, mas nem vou dizer o que é (ou foi) melhor... Mas talvez justamente por causa desse "melhor" é que estou (ou esteja) inspirada... (Bem, mudemos de assunto)...

Eu queria escrever sobre um filme que vi há uns dois anos (eu acho, talvez mais..). Esse filme eu vi com meus dois "bebês": Amanda e Mateus.

O nome do Filme? Procurando Nemo...

Sim!!!!!! Procurando Nemo. Coisa mais nerd, não? Pois é. De vez em quando (ou de vez em sempre!) tenho isso...

Mas agora, em 2006, minha filha está nos Estado Unidos ... Há uns vinte dias...

E, de lá, ela manda emails do tipo: "mãe, estou com saudade, quero voltar pra casa, não estou agüentando, estou com medo, insegura...etc etc".

Peço desculpas ao meu bebê por expor seus sentimentos aqui, mas isso é de fundamental importância para o que quero escrever...

Sim, e num desses emails, eu pensei em responder assim, com alguma mensagem bem marcante. Algo que pudesse fazê-la se lembrar de mim, e se lembrar de que ela nunca deve desistir de seus sonhos, mesmo porque eu estarei sempre ao lado dela, e no caminnho dela, desde o início ao fim... Nunca a abandonarei. Mas que ela deve continuar, sozinha, porque isso faz parte de seu crescimento... etc etc...

Pensei em vários filósofos, pensei em escritores famosos, dos que ela e eu gostamos... Pensei em Clarice ( a Lispector), pensei Em Cecília (a Meireles), pensei em Gabriel Garcia, em Dostoiewsk, em Niestche, em Freud, em Jesus Cristo e em seu Cálice, e daí lembrei-me de Chico Buarque (Pai, afasta de mim, este Cálice... Cale-se... : - ( ................

Nossa. Minha cabeça deu um nó... Quem eu iria citar nesse momento?

Procurei no mais íntimo do meu ser algo bem valioso e profundo...

Mas, de repente, sabe-se lá por quê, veio-me à mente nada mais nada menos do que a "peixinha" Dory... rs .

Desculpem-me os letrados.. E meus alunos que esperam de mim algo mais profundo...

O que posso fazer? (eu simplesmente adoro essa personagem).


E aí me lembrei da frase que ela dizia ao Nemo, quando este se sentia perdido, sozinho, e pensava que jamais conseguiria realizar seu objetivo: encontrar-se com seu pai novamente... Ela dizia:


"Continue a nadar"...




E aí não veio outra mensagem em meus pensamentos, senão esta:

"Amanda: continue a nadar"...


E acrescentei: "porque estarei te esperando no fim da praia"...

E assim me senti melhor.

Na verdade, acho que é isso que temos de fazer na vida: nadar sempre... Sem desanimar, sem desistir. De vez em quando descansar, boiar.. Mas nunca afundar...

Isso porque há alguém nos esperando no fim da praia.

Sempre há alguém...

Que bom...

E pra você, Amanda, eu sempre estarei aqui...

Bom dia a você que está lendo este texto e bom dia ao meu amor, Amanda, que é a quem dedico meu dia de hoje...

Te amo

6 comments:

Vanessa Gomes said...

Sobre voar (borboletas) e nadar (Dori), sobre arriscar e acreditar, sobre ser diferente e ir em frente...
" Já escrevi sobre uma surpresa que tive, faz muitos anos,
numa manhã de frio intenso,
vento forte e céu enfarruscado,
que anunciavam que haveria neve pela tarde. As árvores sabiam disso e já estavam todas sem folha. Foi então que, caminhando pelo jardim que à tarde estaria todo branco, vi uma planta doida.
Ela não ligava para a nevasca da tarde: um botão de flor preparava-se para abrir." (Rubem Alves).
Precisamos ser "planta doida" vez em quando e fazer brotar flores em épocas de frio e solidão. São as cores a colorir nosso caminho...tão importantes da minha vida!!! Beijinhos

J said...
This comment has been removed by a blog administrator.
J said...

é nadando que a gente consegue passar pelasondas e dos outros peixes e chegar aonde a gente quer :)

Ana Lima said...

Eu aqui de novo!
Talvez porque você seja a única a visitar o meu blog, ou a única que, por enquanto, eu queira que visite o meu blog (às vezes tenho medo do que as pessoas vão achar do que eu escrevo...). Ou talvez porque simplesmente eu ame o que você escreve, porque aqui deixa de ser a profª Adriana Luz e é simplesmente a Adriana Luz que escreve com as mãos da alma. E assim... continue a nadar! Ela espera por você, assim como você espera por ela!

Um Beijo!

Ps.: Também quero saber o que você pensa a respeito das borboletas...
Quinta-feira te 'mostro' porquê!

Amanda Luz said...

:'-)

Alyne Costa said...

E no meio de um temporal de emoções... Sabe o que senti agora? Vontade de continuar a nadar. Um beijo!